Livros > Resenhas

O Sabá das Feiticeiras

John Updike nasceu em 1932, morreu em 2007 por causa de um câncer. É autor de mais de cinquenta livros. Foi um romancista, ensaísta e escritor de contos americanos que trouxe à tona as neuroses e os costumes sexuais em mudança na classe média americana. Ele publicou mais de 20 romances, uma dúzia de coleções de contos, poesia e não ficção. Updike foi um dos únicos três escritores a ganhar o Prêmio Pulitzer de Ficção duas vezes. É visto como um dos grandes escritores americanos.

 O livro de que falaremos chama-se “O sabá das Feiticeiras”, conhecido como as “As bruxas de Eastwick”. O livro oferece um vislumbre espirituoso, irreverente, onde valores das cidades pequenas americanas ganham um toque especial do autor. Acho que as feministas vão adorar esse livro, minha opinião. As três personagens principais são bruxas e, em meio a fofocas locais, escândalos e feitiçaria, buscam o relacionamento perfeito por quaisquer meios. ideia de sexualidade como uma espécie de bruxaria é apresentada como uma ironia, o que traz certo medo numa cidade pequena. As línguas estão sempre afiadas contra as personagens centrais. Por incrível que pareça, os inimigos das bruxas são os liberais hipócritas. John Updike arma um cenário para uma guerra cultural.

A história se passa em Rhode Island na década de 1960, onde vivem três bruxas: Jane, Sukie e Alexandra. Tornavam-se bruxas quando se divorciavam dos maridos ou quando se cansavam dos maridos e os matavam. 

“Sam, o ex-marido de Jane, por exemplo, estava pendurado no porão de uma casa térrea, entre ervas secas comuns e medicinais, onde era salpicado em pitadas num filtro, para apurar o gosto; Sukie Rougemont eternizara o marido em plástico e o usava como jogo americano para mesa. O caso de Sukie era mais recente. Alexandra lembrava-se ainda de Monty, nas reuniões, com o paletó xadrez e a calça verde salsa, zurrando os detalhes do jogo de golfe daquele dia e reclamando das quatro mulheres muito lentas, que havia atrasado seu jogo, sem nunca convidar uma delas para jogar primeiro. Monty detestava mulheres presunçosas – governadoras, as que faziam protestos histéricos contra a guerra, as médicas, Lady Bird Johnson, até mesmo Lynda Bird e Lucy Baines. Para ele, eram todas sapatonas. Quando zurrava, Monty punha à mostra dentes maravilhosos, longos e bem alinhados, mas verdadeiros, e, quando despido, as pernas finas e azuladas, muito menos musculosas do que os braços de golfistas, eram realmente tocantes. Suas nádegas eram flácidas e caídas como as de uma mulher de meia-idade. Foi um dos primeiros amantes de Alexandra. Agora, era estranhamente gratificante colocar xícara de café de Sukie sobre o plástico xadrez brilhante, deixando uma marca redonda e escura.

O ar de Eastwick dava força as mulheres.” (pg 12)

O marido de Jane é um toque seco de ervas penduradas no porão. O marido de Sukie foi transformado em jogos de mesa laminados. O marido de Alexandra é um pote de poeira cintilante e multicolorida, mantido em uma prateleira na cozinha. Todas elas têm filhos, todos têm amantes, em série, e estão todas lutando para sobreviver. Alexandra faz pequenas esculturas; Jane dá aulas de música e está tentando se tornar um mestre de coro da igreja. Sukie é repórter do jornal local.

Há algo no ar na cidade de Eastwick que transforma mulheres em bruxas, geralmente quando elas saem ou são deixadas por seus maridos. Alexandra, Sukie e Jane são três dessas bruxas e, quando se tornaram amigas, com suas noites de quinta-feira de coquetéis e fofocas, formaram um vínculo bastante intenso e, de fato, um convênio bastante poderoso. Essas três mulheres 'independentes' dormem com os homens casados ​​da cidade, aparentemente lançando um feitiço sobre eles, até que um estranho chamado Darryl Van Horne chega assumindo a mansão local de Lennox e as zonas úmidas. E logo as três bruxas estão competindo para disputar pela atenção de um homem misterioso.

Alexandra tem quase trinta e poucos anos, é a força motriz por trás desse pequeno grupo. Ela tem em seu poder focado mas forças elementares − por exemplo, ela pode controlar uma tempestade de verão − e na criação de pequenas estatuetas de barro que ela vende em lojas locais. Esse, podemos dizer, é o lado “lúdico”, pois ela é uma mulher extremamente temperamental e vaidosa. Além das tempestades, alguns de seus caprichos podem causar a morte. Ela é uma personagem que nos cativa à medida que lemos o livro, por causa de sua ligação com a terra. Ao mesmo tempo, ela é fria, ou seja, é capaz de matar um pequeno esquilo quando ele desmancha o seu jardim. Amor e sexualidade se intercalam na história dela.

Jane Smart, a outra bruxa, também com trinta e poucos anos, é violoncelista, e essa faceta se torna o foco principal de sua caracterização. Jane é voluntariosa, hostil e talentosa; ela é impaciente e tem pouca paixão pelo seu instrumento musical. Descontroladamente decadente, dada a motivação adequada, Jane demonstra o ego autoindulgente que pouco se importa com a gratificação pessoal. É através de Jane que o leitor começa a entender como o poder corrompe.

Sukie Rougemont, com trinta e poucos anos, é repórter do Eastwick Word. O leitor não pode deixar de ver Sukie sob uma luz favorável. Os constantes comentários de Alexandra sobre as curiosidades de Sukie e o comportamento enérgico e feminino aumentam essa impressão. Demonstra-se que Sukie é simpática e atenciosa, mas sua maneira exterior de exuberância e simpatia pode mascarar uma certa astúcia que pode ser arrepiante. Sua natureza aparentemente boa pode desmentir um sentimento de impotência e culpa, que acaba alimentada por um ciúme que acaba se tornando destrutivo.

Essa é uma pequena introdução dessas bruxas, o que nos dá mais ou menos o sentido de toda essa história.

No primeiro capítulo do romance “O sabá das feiticeiras”, o narrador detalha as minúcias da vida em Eastwick. No entanto, o foco permanece em grande parte nas três bruxas, nos vários truques e brincadeiras que eles praticam (às vezes, completamente desagradáveis) e em seus próprios casos gerados pelo tédio. O leitor se familiariza com o profundo e terreno enraizamento e poder de Alexandra; com a natureza precisa e irritadiça de Jane e a sua paixão pela música; e com a sensualidade inquisitiva e bem-humorada de Sukie.

O recém-chegado é um homem estranhamente rude, mas também é fabulosamente rico. Ele é um grande pianista, coleciona arte moderna, inicia um imenso programa de reforma e reconstrução da mansão, mas não se importa com as garças no pântano que irá aterrar. Isso irrita os benfeitores locais, que são as outras mulheres da cidade e que também não gostam das bruxas. Jane, Sukie e Alexandra são notórias na cidade por seus amantes: elas parecem ter dormido com todos os homens da cidade, incluindo a maioria dos maridos disponíveis. 

Updike estava escrevendo nos anos 1980 sexualmente liberados, sobre os novíssimos anos 1960 liberados sexualmente, e a atmosfera e os padrões morais da época funcionam muito bem.  A história se passa na época da Guerra do Vietnã, após o assassinato de John Kennedy.

A cidade está entusiasmada com seus planos de reformar uma propriedade antiga que há algum tempo é um dreno de impostos para a comunidade. Sua aparência quase grotesca e seu estilo “vulgar em Nova York” repelem alguns, incluindo a mais sensível Alexandra, mas sua grosseria impetuosa e franca encanta outros, especialmente Jane. Imediatamente, fica claro que Darryl está interessado nas três bruxas e, em pouco tempo, através de apelos a cada um de seus desejos secretos, ele consegue convencê-las a visitar a antiga mansão Lenox, que ele está remodelando para se adequar aos seus hedonistas propósitos.

“Ultimamente tenho trabalhado bastante em revestimentos protetores para assoalhos que não se pode arranhar nem com uma faca, depois de seco; outro que não pode ser borrifado no aço e na brasa, quando está esfriando que se une as moléculas no aço em brasa, quando está esfriando, que se une às moléculas de carbono; a lataria de um carro sofrerá a fadiga do metal antes que comece a enferrujar. Polímeros sintéticos, esse é o nome do admirável mundo novo, benzinho., e está sendo cada vez mais usado.

...Os polímeros sintéticos estarão sendo usado no ano 1000.000 ou até destruirmos o que viver primeiro, e a maravilha disso tudo é que podemos cultivar as matérias-primas, e quando esgotarmos a terra, poderemos cultivá-las nos oceanos. Afasta-se, mãe natureza, nós a vencemos.” (pa 53)

Aqui podemos falar um pouco desse personagem, Darryl Van Horne. Embora não seja especificamente referido como tal, é uma manifestação demoníaca. Desde sua chegada do nada até suas orgias na mansão Lenox, Darryl resume essas coisas que o leitor considerará grosseiras, desagradáveis ​​e vulgares. No entanto, Darryl também é fortemente carismático. Seus gostos são ecléticos. O mobiliário de sua casa reflete um desejo de adquirir objetos de arte, mas também revela uma natureza insensível, que desconsidera o mérito artístico duradouro. Ele fornece sua casa opulentamente apenas em relação à sua própria necessidade de gratificação. Portanto, sua sala de jogos, cenário de bacanas selvagens, é minuciosamente apontada para atender a todos os prazeres ou desejos físicos, enquanto o resto de sua casa é uma dispersão de móveis e objetos não organizados.

As bruxas jogam tênis na quadra de Darryl, e os jogos degeneram em partidas de bruxarias, onde uma bola se torna um ovo ou uma cobra, Após a partida, todos entram na casa e se sentam no sofá na sala de música e tomam drinques servidos por Fidel, o criado cubano de Darryl, que traz todos os tipos de aperitivos exóticos e bem apimentados. E, claro, o clima fica bem picante, principalmente quando entram em uma banheira de hidromassagem para verem as estrelas, e claro, massagens dentro e fora da piscina, sob o patrocínio de Darryl. John Updike descreve essas reuniões, como vamos dizer, orgias inventivas, de uma maneira erótica sugestiva, mas mantendo a elegância, sem ser explícita.

John Updike transforma rituais tradicionais de bruxaria em história. Dançam nuas à noite e tudo acontece em determinados rituais e em determinadas épocas do ano. Tudo isso é muito bem entrelaçado na trama.

Como já foi dito acima, as três personagens não são bem vistas na cidade e tinham inimigas, como, por exemplo, Felícia Gabriel, uma mulher particularmente vil e uma pessoa obsessiva, cheia de ódio pelas três bruxas.

Ela enlouquece e tem brigas violentas com todos na cidade. Seu marido cansado e sofrido, Clyde, editor do jornal local e chefe de Sukie, começa a beber demais, sublimando as loucuras da mulher.

No meio de tanta loucura, as bruxas a enfeitiçam, fazendo-a cuspir penas e pedaços de lixo. Felícia expulsa esses objetos horríveis da boca enquanto dorme. Clyde a mata, seu ódio assumiu dimensões nunca vistas, e acaba se matando em seguida.

As bruxas ficam perturbadas com o ocorrido. Os filhos do casal chegam ao funeral dos pais, e elas ficam um pouco incomodadas. Foi quando Sukie resolve, juntamente com suas amigas, ir à mansão Lenox, de Darrryl. E a partir daí a história assume outro rumo, ou seja,  se complica.

As coisas começam a azedar quando Alessandra, Jane e Sukie começam a sentir ciúmes. Todas nutrem uma fantasia por Darryl, mas ele surpreende com o anúncio de seu casamento. Ele decide  se casar com quem? Bem, com Jenny, fiha de Felícia e Clyde.

Atormentadas por essa rejeição, as bruxas agora têm um inimigo comum: Darryl e sua noiva. Bem, querem saber o resto do romance?

Esse é um romance que oferece muitas perspectivas de leitura. Pode ser lido como uma brincadeira obscena cheia de cutucadas ao estilo de vida das pequenas cidades americanas.

Os personagens envolvidos nessa história exploram a religião, gênero e moralidade. John Updike nos conduz através das dúvidas de meia-idade, como as dúvidas de Alexandra sobre si mesma e sua desinteressante vida cheia de aborrecimentos diários, que podem ser resolvidos com um feitiço murmurado ou um simples pensamento.

A relação de Jane com o violoncelo se torna uma obsessão sob a tutela do diabólico Darryl. Sukie se transforma em uma bruxa vingativa. Darryl alimenta as necessidades das três mulheres e ao mesmo tempo alimenta as atenções delas. Darryl recebe tranquilamente todas as reações delas. E John Updike talvez esteja sugerindo que as necessidades humanas estão mais localizadas no interior de cada pessoa do que em motivos externos.

O livro tem muito mais. É um livraço. “O sabá das Feiticeiras” (ou “As Bruxas de Eastwick”) merece um lugar de destaque na sua estante.


Data: 12 junho 2020 (Atualizado: 12 de junho de 2020) | Tags: Romance


< O Universo. Os Deuses. Os Homens Mitos gregos 1984 >
O Sabá das Feiticeiras
autor: John Updike
editora: Rocco
tradutor: Aulyde Soares Rodrigues
gênero: Romance;

compartilhe

     

você também pode gostar

Resenhas

A Imortalidade

Resenhas

A montanha mágica

Vídeos

A noite do desesperados