Livros > Resenhas

Noite do Oráculo

Esta é a primeira resenha que faço deste grande escritor Paul Auster. Desse autor já li “Invisível”, “Viagem no Scriptorium”, “O Livro das Ilusões” e “Noite do Oráculo.” O motivo de só agora resolver resenhar este livro de Paul Auster não resulta em uma escolha pela qualidade desse livro em função dos outros. De forma alguma. Algo puramente fortuito. Prometo que colocarei esses livros em breve aqui no blog. Ainda este ano. Promessa é dívida. A escolha desse livro foi porque acabei de ler esta semana. E como a trama é um pouco mais complexa tive medo de perder a mão e não saber como escrever depois essa resenha e perder os detalhes fundamentais da história.

Paul Auster em seu livro “Noite do Oráculo” cria uma ficção sobre a ficção. É uma leitura que exige atenção para as nuances em que o livro nos leva. Não é um romance simples. Portanto, é preciso ler esse livro com uma atenção redobrada. As histórias aparecem em camadas, misturando e cruzando muitas histórias. Corre-se até o risco de você, leitor, não perceber, e se perder em quem está contando a história principal e as histórias secundárias, e quem está narrando. Mas se você tiver atenção tudo isso será facilmente resolvido. Mas nada que impeça você saborear essa história maravilhosa.


Existe uma grande variedade de metaficção. Novelas sobre escritores de ficção escrevendo outros romances, histórias dentro da história, contos sobre uma pessoa lendo um conto até se ver de repente dentro de um conto que está lendo, notas de rodapé que continuam a história enquanto comentam e por aí vamos. A metaficção promove uma separação entre linguagem e realidade, em outras palavras, a linguagem não representa ou diz a realidade, mas reinventa a mesma, fraturando a convenção de ilusão entre o autor e o leitor. Podemos dizer que “Oráculo da Noite” possui todos esses elementos de metaficção em sua história.

A história do livro “Oráculo da Noite” começa com um escritor Sydner Orr que quase morreu vítima de uma doença - que não consegui identificar, (quem sabe você leitor possa me ajudar) - que quase lhe levou a vida. Em uma de suas saídas a rua, após sua recuperação, entra em uma papelaria recém-inaugurada chamada “Palácio dos papéis” cujo dono é um chinês envolto no sonho americano, um cavalheiro peculiar chamado MR Chang. Sydner Orr se defronta com um caderno azul que de alguma forma fala com ele, ou, fala através dele. Mais tarde ele vê um caderno azul idêntico na casa de seu grande amigo, que é um escritor extremamente bem sucedido, John Trause, (que é amigo do pai de sua mulher Grace) e avisa a Sydner Orr sobre as consequências negativas do uso excessivo desse caderno.

Inspirado por uma conversa com esse amigo escritor sobre um incidente com Dashiel Hammett acerca do livro “Falcão Maltês” (que Sam Spade, personagem do livro, relata sobre Flitcraft), sobre um homem que estava andando para o trabalho e um raio quase o acertou e para ele esse “quase acidente” o fez rever todos os seus conceitos, decidiu recomeçar a sua vida em uma nova cidade. Ele tinha uma vida boa: bela esposa e dois filhos.

“Como diz Hammett: ele sentiu que alguém levantou a tampa da vida e deixou que visse como funcionava.” (pg18)

Resolve sair sem dar a menor satisfação e dizer o seu paradeiro, e decide recomeçar sua vida em uma nova cidade, adotando um novo nome. Deixou toda a sua fortuna para  ex esposa e filhos. Mas ao recomeçar, ele acaba se casando novamente com uma mulher muito parecida com a esposa anterior e tem três filhos.

Sydner Orr começa seu novo livro. Começa a desenvolver a sua própria versão desse pequeno trecho da obra de Hammet, apesar de sua confiança inicial no retorno de sua capacidade de escrever, ele entra em uma espiral a ponto de perder de vista a si mesmo e todos aqueles a seu redor, incluindo sua própria mulher. Sem dúvidas o caderno azul o inspira a escrever. E sobre o que reside a história?

A história é sobre um editor de nome Bowen que recebe um romance a muito tempo perdido por uma escritora chamada Sylvia Maxwell. Chama-se oráculo da Noite e fala sobre as complicações de um soldado chamado Lemuel Flagg, que fica cego durante a Primeira Guerra Mundial, mas ganha a visão do futuro, torna-se um clarividente. Nick Bowen, que está andando na rua um dia, quando um pedaço de cimento cai no chão, e por pouco não perde a cabeça por centímetros, resolve levar os manuscritos  de “Oráculo da Noite” com ele e desaparece, largando sua mulher e vai para Kansas City.

Chegando a Kansas está totalmente descoberto financeiramente falando, sua mulher havia bloqueado seus cartões de crédito temendo um provável sequestro, acaba conhecendo um excêntrico ex-combatente da Segunda Guerra que trabalha no taxi chamado Ed Vitória, um motorista recém aposentado que guarda segredos em um bunker subterrâneo cheio de listas de telefones históricos de várias partes do mundo. Em um determinado momento da história Ed passa muito mal, e vai para o hospital, deixando as chaves do bunker com Bowen. Mas graças a um acidente ele entra numa sala totalmente protegida de um apocalipse nuclear e ao entrar fica preso. Sem ter para onde ir, Sydner Orr percebe que as páginas de seu caderno mágico estão acabando. E sua inspiração está presa a esse caderno.

Um bloqueio criativo toma de assalto o protagonista. Sydner Orr está atolado em dívidas e recebe uma oferta de um roteiro baseado em H.G.Wells. “A Máquina do Tempo”. Confuso e sem saber por onde começar a história ele envia seu viajante para o passado ao invés de empurrá-lo para o futuro. Termina o roteiro de forma fulminante e manda para os produtores. Mas é rejeitado.

Seu grande amigo John Trause se encontra doente com princípio de trombose causado por um entupimento das veias de sua perna e está vivendo um momento familiar complicado por causa do filho que se viciou em heroína. Detalhe. Esse momento é fundamental para o leitor estar atento, pois define o rumo da história.

John Trauser oferece um conto muito antigo para que ele reescreva. Mas o pior acontece quando ele no metrô lotado acaba perdendo esse manuscrito. Totalmente perdido sem saber o que fazer tenta achar o chinês, mas a loja não se encontra mais no local. E sem querer volta a encontrá-lo num bar. Alguns momentos toscos acontecem, quando sua integridade moral é posta à prova. Volta a sua casa e vê sua casa assaltada. Seu relacionamento com sua mulher Grace anda em crise um filho está em pauta, nasce ou não nasce? Aborta ou não aborta? Grace desaparece de forma misteriosa. E reaparece com um novo vestido e maquiagem totalmente diferente de quando ela se despediu do marido na porta do metro. O que estará por trás desses eventos? Não contarei para não entregar a história. Mas algo místico de profecia e de lucidez revela a chave dos mistérios de sua vida.

“Às vezes, sabemos das coisas antes que aconteçam, mesmo não sabendo que sabemos. Eu me arrastei por aqueles nove dias de setembro de 1982 como alguém preso dentro de uma nuvem. Tentei escrever um conto e cheguei a um impasse. Tentei vender uma ideia de filme e fui rejeitado. Perdi o manuscrito de um amigo. Quase perdi minha esposa e, por mais que amasse, não hesitei em baixar a calça na penumbra de um clube e me enfiar na boca de uma estranha. Era um homem perdido, um homem doente, batalhando para retomar o pé, mas debaixo dos maus passos e loucuras que cometi nessa semana, sabia de alguma coisa que não sabia que sabia. Em certos momentos durante esses dias, senti como se meu corpo tivesse ficado transparente, uma membrana porosa através da qual podiam passar todas as forças invisíveis do mundo – um nexus de cargas elétricas do ar transmitidas pelo pensamento e sentimentos dos outros. Desconfio que esse estado foi o que me levou ao nascimento de Lemuel Flagg, o herói cego de Noite do Oráculo, um homem tão sensível às vibrações a sua volta que sabia o que ia acontecer antes de os próprios eventos ocorrerem. Eu não sabia, mas cada ideia que entrava em minha cabeça me colocava nessa direção.

...O futuro estava dentro de mim, e eu me preparava para o desastre que estava por vir.” (pg206)

O que acontecerá? Não serei eu quem vai contar tudo que está por vir. Não revelarei o futuro dessa história. Caberá a você leitor desvendar os mistérios e consultar o “Oráculo da Noite”. O livro é uma alegoria sobre o perigo das palavras e sua capacidade de prever o futuro e determinar a realidade.

“Tinha descoberto que palavras podem matar. Palavras podem mudar a realidade portanto, eram perigosas demais para eu um homem que as amava acima de tudo pudesse confiar nelas.”(pg204)

O livro é acima de tudo, uma história de como contar histórias. O que motiva as ações humanas muitas vezes é muito difícil de compreender. Neste romance cheio de premonições e acontecimentos parecem que vêm do Oráculo interior de Sydner Orr as respostas do futuro. Um livro brilhante cujo final emociona. Portanto, sem pestanejar indico esse livro como leitura obrigatória da melhor qualidade. Um livro que merece um lugar de destaque em sua estante.


Data: 08 agosto 2016 (Atualizado: 08 de agosto de 2016) | Tags: Romance


< Matteo perdeu o emprego Homem Invisível >
Noite do Oráculo
autor: Paul Auster
editora: Companhia das Letras

gostou? compre aqui

compartilhe

     

você também pode gostar

Resenhas

A Lenda do Santo Beberrão

Resenhas

Barba ensopada de sangue

Vídeos

Noites Brancas